O Wall Street Journal não está endossando Donald Trump

Relatórios E Edição

Notícias sobre a renúncia de Rebekah Brooks são exibidas no ticker da Fox News no prédio que abriga a sede da News Corp., sexta-feira, 15 de julho de 2011, em Nova York. (AP Photo / Mary Altaffer)

Dentro um editorial no domingo, a página editorial de direita do The Wall Street Journal deixou claro que não está endossando os candidatos republicanos ou democratas à presidência.

O editorial, intitulado 'A aposta de Trump', diz que a vantagem de uma presidência de Trump é a 'ruptura política' que vem com 'falhas pessoais manifestas'. Uma votação para Hillary Clinton, por outro lado, vem com 'mais quatro anos de governo progressista bruto', de acordo com o conselho editorial:



Uma Washington quebrada precisa ser sacudida e reorientada para o bem público, e quem melhor para fazer isso do que um estranho que não está em dívida com nenhum dos partidos políticos? Se ao menos essa possibilidade de reforma não tivesse chegado como uma personalidade falha que tem poucas convicções e sabe pouco sobre o mundo

O Wall Street Journal não endossou um candidato desde que apoiou Herbert Hoover , um republicano, em 1928. Mas o The New York Post, que também é propriedade da News Corp de Rupert Murdoch, endossado Trump durante sua oferta primária no início deste ano.

No domingo, o The Wall Street Journal também publicou um segundo editorial intitulado “Os custos de Clinton”, que fornecia uma lista de consequências para a votação do candidato democrata.

O conselho editorial tem favorecido Clinton de forma esmagadora neste ano, com pelo menos 57 grandes jornais apoiando o líder democrata. Trump, por sua vez, recebeu dois endossos importantes, de acordo com o Projeto da Presidência Americana : The Las Vegas Review-Journal (propriedade do mega-doador GOP Sheldon Adelson) e o Florida Times-Union de Jacksonville.