Madonna, Leonardo DiCaprio, Cristiano Ronaldo e Emmanuel Macron não checaram os fatos antes de postar imagens sobre os incêndios na Amazônia

Verificando Os Fatos

As fotos originais foram tiradas pelos fotógrafos Lauro Alves, no Rio Grande do Sul, Brasil, e Loren McIntyre, há 20 anos

Madonna, Leonardo DiCaprio, Cristiano Ronaldo, Emmanuel Macron e Gisele Bundchen cometeram o mesmo erro (e, infelizmente, muito comum) na quinta-feira: eles não checaram uma imagem antes de postá-la nas redes sociais.

E a consequência foi brutal. Eles geraram uma onda internacional de desinformação em torno dos incêndios na região amazônica - uma crise que já era bastante grave.



De acordo com dados públicos oficiais divulgados pelo governo brasileiro, houve 72.843 incêndios no país este ano - mais da metade deles na região da floresta tropical. Isso representa um aumento de 84% em relação ao mesmo período do ano passado.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro, porém, não parece confiar nessa informação nem estar disposto a tomar medidas para prevenir incêndios.

como as estações de notícias ganham dinheiro

Há algumas semanas, ele demitiu o chefe do instituto que há décadas acompanha não só os incêndios na região, mas também o desmatamento. Bolsonaro discordou publicamente dos últimos relatórios do instituto e agora diz que quer contratar uma empresa privada para coletar dados.

Enquanto isso, a floresta tropical queima. NASA tem fotografei do espaço . Na segunda-feira, São Paulo, a maior cidade do Brasil, localizada a centenas de quilômetros da floresta tropical, experimentou um chuva cinza , ou uma tempestade de cinzas. Especialistas dizem que acreditam que foi causou pelo fogo.

Por isso, na quinta-feira, pessoas famosas como o jogador de futebol português, o ator americano, o pop star, o político francês e as top models brasileiras se conectaram à Internet para exigir um pouco de ação do Bolsonaro.

De acordo com verificadores de fatos, no entanto, Madonna , DiCaprio , Ronaldo , Macron e Bundchen , postaram imagens enganosas e foram desmascarado .

A foto publicada por Cristiano Ronaldo no Instagram recebeu mais de 7 milhões de curtidas, mas não mostrou a região amazônica. Na verdade, foi tirada no Rio Grande do Sul, no sul do Brasil. E não era nem uma foto nova. Foi filmado em 2013.

Captura de tela, Instagram

As duas outras imagens compartilhadas por outras celebridades da lista também mostraram chamas na floresta, mas existem ainda mais antigas - de 1989 - e podem ser facilmente encontradas em bancos de dados de fotos como Shutterstock ou Alamy.

Captura de tela, Instagram

Esses erros não vieram apenas de estrangeiros. A top model brasileira Fernanda Lima, por exemplo, postou a imagem de uma “macaca chorando” carregando seu bebê, sugerindo que era efeito do fogo. A foto, porém, foi tirada na Índia, em 2017. Não há conexão entre essa cena e a terrível situação que a floresta tropical brasileira está enfrentando agora.

Ciente do uso indevido de várias imagens, o presidente Bolsonaro revidou. Tarde da noite, ele tweetou contra o presidente francês, Emanuel Macron.

“Lamento que o presidente Macron busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos para ganhos políticos pessoais. O tom sensacionalista com que se refere à Amazônia (apelando até para fotos falsas) em nada resolve o problema ”.

Na época em que este artigo foi publicado, Macron e as outras celebridades não haviam mudado suas postagens ou falado sobre o uso de fotos enganosas. A mídia internacional teve já compartilhou alguns de A checadora de fatos brasileira Agência Lupa’s e France Media Agency desmascara.

Mas os verificadores de fatos no Brasil temiam que a discussão sobre os incêndios na Amazônia - vital - pudesse acabar sendo uma discussão sobre desinformação.

“Não há dúvida de que as fotos antigas das queimadas na Amazônia são simbólicas e remetem ao que está acontecendo neste momento na região amazônica. Mas postar imagens antigas pode desencadear uma discussão estranha e inadequada em torno de notícias falsas ”, disse Natalia Leal, diretora de conteúdo da Agência Lupa.

“Em vez de debater soluções para os incêndios na Amazônia, que são muito graves, as pessoas podem despender tempo e esforço apontando o que é verdade e o que não é. Nós não precisamos disso. Não precisamos usar fotos antigas ou fora de contexto para mostrar a gravidade da situação. É muito sério. ”