Aumenta o bibliotecário que virou jornalista; ela ?? nos ajudou a ser essa fábrica gigante de colheres ??

Relatórios E Edição

No início desta década, Brandy Zadrozny era feliz em Vermont, assando tortas, esquiando, trabalhando na Biblioteca Pública de Burlington, cuidando da mesa de referência no Champlain College.

Isso é até que ela não estava. E o jornalismo agradece.



Ao longo do ano passado, ela tem sido notada por pesquisas e reportagens sobre a Rússia Agência de Pesquisa da Internet, descobrindo a vida secreta de um pró-Trump, nacionalista branco atirador escolar e mergulhando fundo na Vice Media cultura galopante de assédio sexual . Ela também fez aparições frequentes na CNN ou MSNBC explicando essas histórias.



Na sexta-feira, a bibliotecária que virou pesquisadora sênior e escritora anunciou que estava deixando o Daily Beast após cinco anos e se mudando para a NBC News como repórter nacional. A mudança de Zadrozny para a NBC - junto com o editor de notícias sênior do Daily Beast, repórter de tecnologia (e parceiro de reportagem frequente) Ben Collins - permitirá que ela divulgue histórias para um público mais amplo, em um meio em que a Casa Branca é obrigada a responder.

o papa lambendo um bebê

Em um ano turbulento para a democracia, Zadrozny é um dos vários bibliotecários e pesquisadores que fizeram a diferença nas grandes histórias. Isso inclui as acusações de abuso doméstico contra Rob Porter, assessor sênior da Casa Branca (agora falecido) e o perverso cortejo e assédio sexual de adolescentes pelo advogado do Alabama e mais tarde candidato republicano ao Senado, Roy Moore.



No Daily Beast, Zadrozny mostrou aos repórteres uma miríade de ferramentas, como obter notificações de nomes de domínio, o que era essencial para seu furo nos domínios obscenos e assustadores da Internet que Trump associa e criminoso condenado Felix Sater derrotou seus inimigos. Cerca de metade de seu tempo era mentora de repórteres, diz ela; a outra metade trabalhando colaborativamente em novas histórias ou escrevendo tarde da noite em seus recursos.

“Sua assinatura está em todos os lugares, mas o impacto que ela tem em mostrar a todos como usar essas ferramentas e, em seguida, deixá-los fazer isso fez do Daily Beast o que é”, diz Collins. “As sementes que ela planta estão difundidas nesta redação e nos ajudaram a ser esta fábrica gigante de colheres.”

Os furos quase diários do Daily Beast em outubro naquela fábrica de trolls russos, aquela que bombou Trump e denegriu Clinton para os americanos nas redes sociais antes e depois das eleições de 2016, foram seguidos de perto por outros veículos. Zadrozny também foi notado por esta joia suculenta com o repórter Kevin Poulson, que arrancaram dos documentos de acusação dos 13 russos indiciados pelo promotor especial Robert Mueller.



Zadrozny, uma ex-professora de inglês antes de obter um mestrado em biblioteca e ciência da informação no Pratt Institute, diz que sua missão começa tentando encontrar informações exclusivas e úteis para responder a perguntas.

“Minha missão no Reference Desk é a mesma de agora”, diz ela. “Para informar o público que está ávido por respostas às suas perguntas. No Reference Desk era, ‘Qual é a capital de Montana?’ E agora é: ‘Quem é essa pessoa que está sendo retuitada por nosso presidente?’ Ou, ‘Quem é a pessoa que dirige a Agência de Pesquisa da Internet?’ ”

Collins, cuja mãe é bibliotecária, diz que Zadrozny fará mais falta do que ele em torno do Daily Beast. “É muito claro quando você fala com Brandy que ela é a joia da coroa de qualquer redação em que esteja”, diz ele. “Ela pode encontrar informações que ninguém consegue encontrar, e então ela pode apresentá-las de uma forma que é humana.”



Outros pesquisadores de notícias estão igualmente impressionados. Margot Williams do Intercept apontou para o de Zadrozny mergulhar nos registros de falências em junho passado, para mostrar como uma doença crônica séria forçou o guru social de Trump, Dan Scavino, e sua esposa a declarar falência.

que ganhou o prêmio Pulitzer 2016

“Brandy é incrível”, diz Williams, um ex-pesquisador de notícias do Washington Post e do New York Times (e também formado pela Pratt). A mudança para a NBC, Williams diz, “é um bom exemplo de plano de carreira aberto para pesquisadores / bibliotecários dispostos / capazes de levar suas habilidades para a redação e a reportagem”.

Nancy Groves, uma ex-bibliotecária de notícias da CNN que agora é chefe de mídia social das Nações Unidas, diz que pesquisadores treinados são mais valiosos do que nunca para as organizações de notícias.

“Ser capaz de avaliar criticamente o valor de um dado e eliminar fontes de dados questionáveis ​​pode economizar um tempo valioso”, diz Groves, que fez mestrado em ciência da informação na Universidade de Maryland.

você pode ser obrigado a usar uma máscara?

“Bibliotecários, pesquisadores e profissionais da informação treinados sabem ser eficientes quando se trata de pesquisar online. … Ser capaz de antecipar o que um leitor deseja saber, de forma que bibliotecários e pesquisadores treinados possam descobrir o que seus clientes desejam saber, ajudará as empresas de mídia a reter audiências na era da sobrecarga de informações ”.

Zadrozny espera que uma saída mais ampla leve a um impacto mais amplo. Em setembro de 2016, ela contou a história sobre A caridade muito estranha de Eric Trump , mas não foi até um artigo da Forbes no ano seguinte que uma onda de terra se formou. Isso é difícil de imaginar, com este lede:

Uma associação da indústria do vinho. Um cirurgião plástico que está presenteando crianças com plástica no nariz. Um artista que pintou um retrato de Donald Trump e um cachorro azul. Resorts de golfe de propriedade de Trump.

Esses são alguns dos beneficiários da Fundação Eric Trump, uma instituição de caridade pública homônima chefiada pelo terceiro filho do candidato presidencial republicano. Apesar Eric Trump - o vice-presidente executivo de desenvolvimento e aquisições da Trump Organization e um dos principais substitutos de seu pai e conselheiros políticos mais próximos - recentemente afirmou que seu pai havia doado 'centenas de milhares' para sua instituição de caridade, a única evidência disponível parece sugerir pagamentos, na verdade, foi o outro caminho: a Fundação Eric Trump (ETF) pagou centenas de milhares nos últimos 10 anos para hospedar eventos de arrecadação de fundos pródigos em Campos de golfe de Donald Trump .

Para Zadrozny, qualquer audiência e impacto é maior do que o que ela havia imaginado como uma jovem professora pública de Nova York. Naquela época, ela queria colocar uma biblioteca em sua escola, mas as regras do distrito diziam que apenas alguém com um diploma em biblioteca poderia fazê-lo. Então ela foi para a Pratt e pegou o bug das notícias quando descobriu sobre os bibliotecários de notícias. Em uma passagem pela Fox News e um estágio e emprego na ABC News, ela descobriu que amava as redações, mas quando a ABC News terceirizou seu braço de pesquisa, ela percebeu que tinha que fazer algo mais.

não consigo pensar em nada

“Quando comecei a procurar emprego, percebi que agora é preciso fazer as duas coisas” - talvez pesquisar e codificar, ou pesquisar e jornalismo de dados.

A ideia dela: pesquisar e relatar em pares. Ela encontraria e explicaria um fenômeno tecnológico, por exemplo, e contaria as histórias das pessoas por trás dessa notícia.

“Estou procurando relatar as histórias de tecnologia que moldam nossas vidas”, diz ela.

Até agora, de espiões russos e hackers a alertas de nomes de domínio, sua estratégia está funcionando.

RELACIONADOS: Cavando em tempos difíceis: pesquisadores de notícias lideram grandes histórias

Você tem histórias sobre como pesquisadores editoriais e bibliotecários de notícias descobriram uma grande história ou levaram a um experimento editorial revolucionário? Me avisa em beardwrites@gmail.com .