O Dallas Morning News 'pagou um preço' pelo endosso de Hillary Clinton

Negócios E Trabalho

Foto de Matthew Rutledge via Flickr.

Quando o Dallas Morning News endossou Hillary Clinton para presidente no início deste mês, quebrou uma sequência de 75 anos de não endossar um democrata.

O editorial atraiu resistência de muitos leitores no Texas, um estado dominado pelos republicanos que não votou em um democrata desde Jimmy Carter em 1976 . Uma amostra dos comentários por trás do endosso (mais de 3.500) dá uma ideia da magnitude da crítica. Muitos leitores prometeram cancelar a assinatura, embora alguns elogiem o jornal por se posicionar a favor do que chamou de “único candidato sério na votação presidencial”.



RELACIONADO: Endossos: por que as organizações de notícias se incomodam?

Mas também pagou financeiramente por sua decisão de endossar Clinton. Embora ele se recusou a dizer quantos leitores cancelaram suas assinaturas, o editor do Dallas Morning News, Mike Wilson, reconheceu que o endosso veio com uma etiqueta de preço.

“Certamente pagamos um preço por nossa recomendação presidencial, mas, então, escrevemos nossos editoriais com base em princípios e, às vezes, os princípios têm um custo”, disse Wilson em um e-mail para Poynter. “Tenho conversado muito com os leitores recentemente e respeito suas opiniões e o direito de discordar de nós. O mais importante para nós é que votem, mesmo que não seja no nosso candidato favorito, porque a democracia não funciona se as pessoas não votam. ”

programas a cabo com a melhor classificação de todos os tempos

Isso é um sentimento Wilson expresso aos manifestantes pessoalmente quando se reuniram em frente ao The Dallas Morning News para reclamar da decisão do jornal. Na semana passada, Wilson deixou seu escritório no Morning News para se dirigir aos manifestantes diretamente e compartilhou seu relato da troca no Twitter:

Wilson diz que espera que os leitores que cancelaram suas assinaturas voltem um dia.

“Eu acredito que o Dallas Morning News oferece muito valor para os leitores - mesmo quando eles discordam de uma visão editorial específica”.