O Projeto de Jornalismo Americano arrecadou US $ 42 milhões. Aqui está o plano para distribuí-lo

Negócios E Trabalho

Captura de tela

Sem empurrar na fila, por favor. Tendo levantado $ 42 milhões em apenas seis meses, o American Journalism Project , um esforço ambicioso para reconstruir as notícias locais, está no caminho certo para começar a distribuir parte desse dinheiro para sites digitais sem fins lucrativos merecedores.

Mais de 25 organizações serão escolhidas para participar dessa ação a partir deste verão. O que é preciso para passar pela porta?



O cofundador John Thornton, também o capitalista de risco que lançou o Texas Tribune, estava pronto com muitos detalhes quando perguntei a ele esta semana como a primeira rodada de destinatários será selecionada.

As “organizações de notícias cívicas”, como Thornton e a co-fundadora Elizabeth Green as chamam, incluirão algumas start-ups (como o próprio projeto é). Mais destinatários terão lançado e começado a publicar, mas permanecem incipientes como empreendimentos sustentáveis.

Ruga nº 1: embora o objetivo seja criar muito mais relatórios “orientados para a missão” de alto impacto sobre a governança estadual e local, as doações serão para “aumento de receita e capacidade tecnológica”, disse Thornton.

Isso porque ele e Green (co-fundador e CEO do site educacional Chalkbeat) estão estudando matemática difícil. Claramente, US $ 42 milhões soa como uma tonelada de dinheiro - mais do que os orçamentos anuais combinados do Texas Tribune (cerca de US $ 10 milhões), Chalkbeat (mais de US $ 6 milhões) e do Poynter Institute (US $ 9 milhões e crescendo).

No entanto, usado diretamente para pagar repórteres e editores (assumindo um salário médio e benefícios de US $ 60.000), os US $ 42 milhões sustentariam apenas 700 jornalistas por um único ano.

Portanto, Thornton e Green estão focados no projeto que serve como um “catalisador” para ajudar as organizações a desenvolver fontes diversificadas e repetíveis de receita - subsídios filantrópicos de segunda onda, associações, eventos, talvez serviços de informação pagos premium.

Ainda há muito a ser acertado antes do início do processo de concessão neste verão.

“No momento, é tudo uma planilha”, disse Thornton, “a versão do videogame” da coisa real. “Ou, para misturar clichês, os planos de batalha não sobrevivem ao primeiro tiro.”

O projeto provavelmente terá um horizonte de dois a três anos para essa rodada de investimentos catalisadores. Thornton, após 20 anos de carreira em capital de risco privado, também traz algumas expectativas específicas de crescimento nos locais escolhidos para financiamento.

“Por US $ 1 no primeiro ano, (esperamos) um retorno de 50 centavos; para o segundo ano, você espera receber $ 1 de volta; em algum lugar entre dois e cinco anos, cada dólar deve receber o dobro dessa taxa de retorno. ”

por que lou dobbs não está no programa dele?

Essa tem sido aproximadamente a trajetória de crescimento do Texas Tribune e Chalkbeat, bem como de sites menores como MinnPost e VT Digger . A filantropia continua a fazer parte do mix de financiamento, mas em vários graus, outras fontes começam a pagar por grande parte do jornalismo.

Quanto ao que será necessário para ganhar apoio, Thornton e Green também têm critérios específicos para isso.

“Primeiro, eles precisam ser inteiramente orientados para o propósito público”, disse ele. Em outras palavras, uma agenda de reportagem séria sem o conteúdo apenas para diversão que os sites com fins lucrativos costumam usar para aumentar a audiência.

“Em segundo lugar, precisamos acreditar nas pessoas, em sua credibilidade jornalística”, continuou Thornton.

“E, idealmente, estaríamos procurando (sites que já realizaram) algum trabalho de qualidade e que já tenham pelo menos uma pessoa de negócios a bordo.”

notícias que estavam erradas

Outro ponto delicado será quais comunidades serão escolhidas para obter um impulso para seu ecossistema de notícias. Sugeri que os jornais locais podem estar em uma cidade financeira e jornalística de saúde bastante diferente de cidade para cidade. E a mídia pública, especialmente o rádio, pode estar se movendo fortemente para preencher as lacunas - ou não.

Thornton disse que concordou. “Há muita variação em ambos.”

O rádio público pode ser fundamental em alguns lugares e ainda mais provável no futuro, disse ele. O projeto procurará locais “saudáveis, vibrantes e independentes” e pode haver apenas “um número relativamente pequeno” daqueles que estão começando.

“Espero receber algumas críticas”, disse Thornton, “mas não faremos julgamentos sobre os lugares mais necessitados”.

Thornton e eu estávamos conversando principalmente sobre o que está por vir nos próximos meses, mas o projeto foi projetado para ter uma longa vida útil, em vez de causar seu impacto em um golpe rápido. O subsídio inicial de US $ 20 milhões da Fundação Knight, por exemplo, está sendo pago em cinco anos. O mesmo é verdade para muitos dos outros US $ 22 milhões em promessas garantidas até o momento.

Quando Thornton e Green anunciaram o que tinham em mente no outono passado, eles estabeleceram uma audaciosa meta final de arrecadar US $ 1 bilhão. Agora é um bom momento para atacar: a preocupação filantrópica com desertos de notícias e jornais fantasmas vazios parece estar aumentando em 2019.

No primeiro de duas peças explicando a razão para o projeto, Green escreveu em setembro, “fundos de filantropia de risco, por sua própria existência, desempenham uma função importante de evangelização para sua causa especial”. Portanto, um pé forte no acelerador no início faz sentido, mesmo que leve uma década ou mais para o projeto atingir seu pleno florescimento.

Há um mês, o projeto anunciou mais meia dúzia de grandes financiadores (Thornton entre eles), a nomeação de um conselho de cinco pessoas e o início da formação de uma equipe.

Alguém pode se perguntar se o projeto irá competir com organizações semelhantes recentemente lançadas por um escasso pool de dólares filantrópicos.Eu escrevi sobre o Report for America, que coloca os jovens repórteres diretamente nas redações prontas para expansão, eCivil, um grupo governado pela comunidade de sites membros aqui e no exterior que incorporaram doações por meio de compras de tokens de blockchain em seu plano de negócios.

Thornton não vê as abordagens alternativas como um problema - há espaço para todos.

“A esperança seria que em combinação, rebatidas de ângulos diferentes… estivéssemos alinhados (com outros esforços semelhantes). Se não podemos mover a agenda em conjunto, devemos ir para casa e fazer outra coisa. '

Thornton e Green se conheceram há pouco mais de um ano. Cada um apresentou uma versão da mesma ideia a Peter Lattman, diretor-gerente de mídia da Laurene Powell Jobs's Emerson Collective . Lattman sugeriu que os dois ficassem juntos. Eles fizeram e começaram o planejamento em consulta com o principal financiador, Knight.

Ouvi apenas algumas críticas ao projeto. Há alguma dúvida sobre quantos Texas Tribunes ou Chalkbeats em potencial podem chegar perto de sua escala e sucesso jornalístico.

tendências políticas de fontes de notícias

O CEO do Texas Tribune tem sido Evan Smith, desde o seu início, que trouxe 20 anos de experiência em edição e publicação e um destaque no estado como comentarista e entrevistador. Green e seu cofundador criaram um site para cobrir os debates escolares da cidade de Nova York há uma década. Chalkbeat agora tem 50 funcionários e se expandiu para mais seis cidades e estados.

Smith me disse quando comecei uma visita de um dia no Tribune há vários anos que, apesar de todo o sucesso estudado de perto, o tamanho e a riqueza do Texas representavam uma oportunidade única ou próxima a ela.

“É totalmente justo perguntar”, disse Thornton, “mas todo governo merece um jornalismo de serviço público de qualidade. Ponto final.'

“Há apenas um Texas, apenas um Evan Smith e apenas uma Elizabeth Green. Mas Emily Ramshaw (editora do Texas Tribune) sugeriu que, se cada um deles fizer o trabalho de três ou quatro pessoas, outro site poderá dividir o trabalho. … Vamos descobrir, mas certamente existem elementos (de seu sucesso) que são replicáveis. ”

Tanto o Tribune quanto o Chalkbeat oferecem seu principal produto de notícias gratuitamente. Dentro o manifesto dela anunciando o Projeto de Jornalismo Americano e explicando seus objetivos, Green argumenta que as notícias locais “são um bem público; deve estar disponível para todos, não apenas para aqueles que podem pagar por ele. ”

Com o modelo tradicional de anúncio e assinatura afundando e bilionários que partem para um resgate “inconstante”, sua organização e outras, o projeto visa oferecer um “terceiro caminho” melhor, escreveu ela.

Essas empresas sociais, acrescenta ela, “são a única parte do setor de notícias local que realmente está crescendo nos dias de hoje”.

O que não significa negar que chegar a US $ 1 bilhão será um grande aumento, admite Green.

“Não há garantia de que teremos sucesso, é louco pensar que todas as organizações de notícias que apoiamos atingirão seus objetivos e é fácil pensar nas razões pelas quais podemos falhar. Mas estou muito mais confortável em correr o risco do que não. Como tantos jornalistas de toda a América já o fizeram ao abrir novas agências de notícias locais, precisamos colocar nossos medos de lado e dar todos os passos que pudermos em direção ao que sabemos de que nossa democracia precisa ”.

Este artigo foi atualizado para corrigir 'organizações de notícias comunitárias' para 'organizações de notícias cívicas', a nomenclatura preferida de Thornton e Green, para esclarecer que o subsídio de $ 20 milhões da Fundação Knight está sendo pago em cinco anos e para esclarecer que Civil usa compras de tokens de blockchain, não bitcoin.